Estúdio de Pilates: local de confluência profissional

1948

Em 1998, recém chegada de um período de pós graduação em Educação na Espanha, além de outros cursos na área de movimento, fui convidada por uma amiga para conhecer um espaço aonde havia aulas de movimento que, segundo ela, eu ia adorar. Ela estava certa!

Eu estava morando em Salvador-BA e foi a primeira vez que entrei num estúdio de Pilates. As proprietárias eram Alice Becker e Jaqueline Borges. Matriculei-me como aluna e, depois de um ano praticando, me tornei assistente e logo comecei a fazer a formação da Polestar (através da Physio Pilates) e a dar aulas na equipe de Jaqueline Borges.

Nós éramos uma equipe com cerca de 15 bailarinas e uma professora de Educação Física – eu. Compartilhávamos espaços, idéias, movimentos. Era um luxo observar aquelas professoras deslizando entre os aparelhos, movendo e fazendo mover: toques precisos e preciosos, dicas verbais e imagens que, certamente, até hoje trago comigo. Generosidade, fluidez, respiração, alinhamento, todos os princípios pulsavam em perfeita harmonia e era possível ver de forma incrivelmente nítida as mudanças que se processavam nos alunos que ali chegavam.

Cada professora cuidava de cerca de cinco ou seis alunos por horário. Sim! É isso que vocês leram. Cinco ou seis alunos comandados por essas incríveis professoras de movimento. Essa foi minha escola original do método Pilates. Esse foi o meu #pilatesdeverdade, o meu #pilatescomqualidade, o meu #pilatesoriginal . E foi uma das épocas em que eu mais vi qualidade de movimento dentro de estúdios de Pilates.
Talvez por ter vivido essa história, me aborreço muito quando vejo propagandas e divulgações de estúdio que enchem a boca pra anunciar: “Aqui todos os professores são fisioterapeutas”.

Entendo e percebo que a entrada dos fisios nos estúdios foi maravilhosa. Um estúdio de Pilates hoje comporta atendimentos e treinos muito diversificados: podem se beneficiar do método desde tetraplégicos até atletas de elite. A descoberta de movimentos, o aperfeiçoamento, o treino específico e bem orientado pode levar qualquer praticante a patamares de superação incomparáveis.

Mas este leque de opções que o estúdio oferece precisa ser acompanhado também de uma diversidade profissional a altura. É fundamental que haja multidisciplinaridade, respeito às competências específicas, estudo e prática constante por parte de quem ensina e humildade para reconhecer até onde cada um pode ir. O conhecimento não está aprisionado dentro de uma grade curricular, qualquer profissional pode seguir aprendendo e aprofundando suas competências quando sai da universidade, mas sempre há limites. Ninguém sabe tudo.

A pluralidade profissional é que torna o método Pilates e o Estúdio de Pilates, com suas máquinas e acessórios maravilhosos, esse berço de possibilidades, esse local de confluência de saberes, essa mágica zona de interseção capaz de acolher tantos diferentes tipos de clientes.

O elixir é apenas um – o movimento organizado – mas as doses prescritas são tão diversas quanto as necessidades dos clientes e os profissionais que ali atendem com seu domínio do método e sua capacidade de aplicá-lo.

Então muita atenção, vamos sempre nos lembrar de nossos remédios diários: tomar uma grande dose de humildade, praticar uma cartela caprichada de Pilates e ativar a empatia e o respeito a todos os profissionais que trabalham com seriedade e respeito pelo método em busca do bem estar dos seus clientes.

Deixe um comentário:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.