A tal da respiração

6410

“A respiração é um movimento, como outro qualquer, e deve ser tratada como tal, podendo ser apreciada em sua amplitude, frequência, ritmo, som, desencadeamento de ações por todo o corpo e na intencionalidade a que está ligada.”

“Parece haver um mistério envolvendo o ato respiratório que o torna desconhecido e de difícil acesso.”

“Ao sondar as pulsações íntimas da matéria o ser chega inevitavelmente a outros ritmos, a outros estados da matéria.[…] experimentar como cada pedaço do corpo se move à partir de um encadeamento de ações[…] o método Pilates, que se baseia essencialmente no ato respiratório para trazer controle, consciência e equilíbrio para o corpo todo.”

“A partir de toda essa experiência e mantendo-se fiel ao aprendizado com Joseph e Clara, Fletcher desenvolveu programas assinados por ele, inovando o trabalho até então criado. Mas estava interessado em aprofundar no método a questão da respiração, observando que Joe falava pouco sobre a respiração no dia-a-dia do studio, assim como Graham. […] Por isso, acabou por pesquisar a respiração de forma profunda, criando a Fletcher Percussive BreathTM, aqui denominada de Respiração Percussiva, uma respiração com um som e um ritmo: “como um percussionista”.”

“[…]existe um aspecto sensual no movimento que não pode ser ignorado. Ron indicava que a prática a partir do movimento torna o corpo capaz de experimentar ações encadeadas afetando as partes umas as outras […]”

“[…] aprenda praticando primeiro e completamente em seu corpo e só depois estará apto a ensinar aos outros, prestando atenção para que a essência do gesto seja trabalhada […]”

“[…]encontre um bom e experiente professor de Pilates e continue a estudar continuamente sem parar, fazendo aulas com regularidade; o corpo tem segredos e descobertas novas sempre acontecerão. Este processo é infinito[…]”

“[…]respeite e honre aqueles que vieram antes de você; […] divida as lições e tradições que os seus professores dividiram com você; […] faça um trabalho sério e de qualidade ensinando Pilates;”

“[…] O Pilates ensina que a respiração deve ser um ato voluntário, que deve ser costal, superior e ampla, fazendo muito ar entrar no corpo, muita energia ser gerada, e muito ar sair[…] E se o diafragma trabalhar bem, há uma boa chance de todas as vísceras, funções abdominais e do Sistema Nervoso Simpático/SNS também funcionarem a contento. […]o movimento reflexo que acontece na coluna à medida que o diafragma se contrái também faz esta estrutura se mover minimamente durante quase todo o tempo.”

“[…] no Fletcher Pilates®, a Percussive BreathTMparece ter sido criada para auxiliar os alunos a descobrirem o fenômeno respiratório, e a cadeia de eventos ligada a esse ato. Ron Fletcher pensou em dar propriedades diferentes das usuais a este ato, para faze-lo mais palpável e viável, assim auxiliando a chegada do ato respiratório à consciência. Assim, ele criou uma técnica respiratória que tem um som e um ritmo, justamente para que todos pudessem melhor ouvir e sentir o ar entrando e saindo dos pulmões.”

“[…] A Respiração Percussiva guarda semelhanças com a originalmente criada por Joe e Clara. Em ambas, enquanto a inspiração é profunda, e o ar é direcionado para as costelas e tórax, fazendo a mecânica ventilatória acionar os mecanismos de alça de balde e braço de bomba, em que os diâmetros látero-lateral e ântero-posterior do tórax são aumentados, respectivamente. Na expiração, todo o ar “impuro” é expelido dos pulmões, forçadamente, até que não mais exista a possibilidade de expelir mais nada, para que, reflexamente, novo ar cheio de oxigênio seja inspirado.”

“Mas a diferença da Respiração Percussiva é que ela é feita com a abertura da boca diminuída, e o ar é jogado para fora por trás dos dentes. Assim, um som característico é feito e mais resistência existe à passagem desse ar, fato que provoca um menor turbilhonamento do ar, criando um fluxo mais estável e saudável ao corpo. Ao mesmo tempo, a barreira provocada pela boca quase fechada e os dentes, faz com que maior força tenha que ser utilizada, o que ajuda a criar maior resistência e consciência aos músculos respiratórios. Isso parece ter maior relação com o que Pilates queria ao criar o seu método: “Um dos principais resultados da Contrologia é obter o domínio de sua mente sobre o controle completo de seu corpo.” (PILATES, 1945, p.172, tradução nossa).”

“Ao fracionar a respiração em diferentes tempos respiratórios, como por exemplo, dois tempos inspiratórios e dois exalatórios, Fletcher ainda revelou que o pulmão pode se encher em diferentes ritmos. Assim, os praticantes desse método puderam visualizar a quantidade de ar requerida para encher essas estruturas, brincando com o ar ins/exalado e desenvolvendo maior aprendizado motor sobre a mecânica respiratória.”

“Mais do que somente um ato mecânico, a Respiração Percussiva deve guiar o movimento, que se inicia à partir dela. Isso também oferece uma qualidade diferenciada à quem pratica essa forma de respiração […]”

“A técnica respiratória usada no Fletcher Pilates® envolve a exalação do ar pela abertura diminuída da boca, como citado. Isto aumenta a eficácia da troca entre oxigênio e dióxido de carbono, e entre os pulmões e a circulação sanguínea, pois quando o ar é inspirado de forma fracionada, existe maior chance de que ele chegue aos alvéolos terminais. Ao mesmo tempo, a exalação sendo feita por um período mais prolongado, pois a abertura da boca está diminuída, faz o ar permanecer por mais tempo nos alvéolos. […] o ar que fica em um alvéolo por muito tempo passa, por osmose, a um outro alvéolo que estava antes colabado.”

“O ato respiratório feito de forma adequada permite a transmissão apropriada de forças por todo o esqueleto. Ele é o iniciador de um movimento organizado.”

Fonte: Pilates com Qualidade

 

Adriano Bittar

É especialista em Terapia Craniossacral e Dança, mestre em Artes Cênicas pela UFBa, e doutor em Arte pela UnB. Conheceu o Pilates no Laban Centre, em Londres em 1996 e se apaixonou pelo método. Ele fez os cursos de educação de professores na Polestar Pilates/2000 e Fletcher Pilates®/2011, e se certificou pela Pilates Method Alliance/2013. Como um dos primeiros fisioterapeutas certificados pela Polestar na América do Sul, fez parte da geração inicial de professores dessa escola e ensinou futuros professores em todo o país (2000-2005). Criou o primeiro curso de Pós-graduação em Pilates do centro-oeste na PUCGO/CEAFI, que coordena até hoje. Estudou com Kyria Sabin e Ron Fletcher, por quem foi convidado a conhecer o Fletcher Pilates® e a representar esta escola no Brasil/2012. Já traduziu importantes nomes do Pilates em congressos internacionais, assim como boa parte do material utilizado em cursos pela Polestar Pilates e Fletcher Pilates®. É um dos maiores responsáveis pela introdução do Fletcher Pilates® no Brasil e um dos palestrantes da Conferência Fletcher Pilates® que acontece nos Estados Unidos a cada dois anos. Leciona na Universidade Estadual de Goiás, é fisioterapeuta da Quasar Cia de Dança, prepara poeticamente grupos de atores e bailarinos, dirige e atende clientes no Studio Adriano Bittar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.